Texto: Ricardo Neto ** Foto: InterMamata

São-Tomé, 13 Marc ( STP-Press ) –   UNESCO e o ministério da Comunicação Social de São-Tomé e Príncipe exortaram hoje os jornalistas e técnicos da imprensa são-tomense para exercerem as funções com “rigor, profissionalismo, responsabilidade e técnicas adequadas”  com vista a uma “melhor cobertura” das eleições legislativas e autárquicas previstas para Outubro próximo no arquipélago.

A exortação foi feita esta manhã por um representante do ministro são-tomense da comunicação social e por uma representante da UNESCO em cerimónia de abertura de um atelier de formação de quatro dias co-finanaciado pela UNOCA,destinado aos jornalistas e técnicos dos órgãos de imprensa são-tomense sob “a ética e a deontologia e reforço da responsabilidade social dos jornalistas num Estado de Direito”.

Em representação da Organização das Nações Unidades para Educação Ciência e Cultura, UNESCO, a moçambicana, Ana Elisa Santana defendeu a necessidade de uma maior “responsabilidade” dos jornalistas e técnicos de imprensa no sentido de exercerem com o profissionalismo, isenção e imparcialidade as suas atribuições face as eleições que se avizinham no arquipélago.

A organização deste atelier responde a necessidade de ver os jornalistas a se alimentarem de técnicas profissionais adequadas para uma melhor cobertura das eleições” disse Ana Elisa, tendo sublinhado “ o reforço da responsabilidade social dos jornalistas”., numa perspectiva  de contribuírem para a implementação das “eleições pacificas” no País.

Tendo citado que a formação tem como um dos objectivos “permitir aos jornalistas e os profissionais de imprensa de se projectarem nas futuras eleições legislativas” em São-Tomé e Príncipe apontou ainda “promoção dos direitos do Homem”, como um dos papéis fundamentais da imprensa sobretudo, “no período eleitoral”.

O director do gabinete do ministério da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação, António Mendes, em representação do ministro da tutela disse o seu discurso da abertura do evento que face as conjunturas político-sociais surge a necessidade de fazer com que o jornalismo seja um exercício permanente de ética e rigor, “e não o somatório de pressões e cumplicidades tendentes a satisfazer as vontade, principalmente da classe política e daqueles que teimam em manipular” os médio a seu favor.

O representante do ministro disse ainda que “falar da ética e deontologia profissional” bem como da “responsabilidade social dos jornalistas num Estado de Direito” é criar condições para se “encontrar um conjunto de regras”, regulamentos e diplomas, com vista “a melhorar o exercício do jornalismo com isenção e rigor” no arquipélago são-tomense.

Além dos profissionais dos órgãos estatais de imprensa, nomeadamente a Televisão são-tomense, TVS, a Rádio Nacional e a Agência STP-Press, a imprensa privada também participa nesta formação orientada por dois peritos internacionais da UNESCO, provenientes dos Camarões.

Fim/RN

# Pode ouvir Registo Áudio da STP-Press#

Representante da UNESCO e Representante do Ministro

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Seu nome