São-Tomé, 03 Abr ( STP-Press ) –  O Tribunal de São-Tomé decretou a prisão preventiva dos cinco indivíduos incluindo três funcionários judiciais, que teriam assaltado o Supremo Tribunal de Justiça e roubado 58 cápsulas de cocaína, soube-se hoje de fonte judicial.

De acordo com a fonte, os três funcionários judiciais implicados no caso, nomeadamente, Raul Aguiar, Adelson Grande e Pedro Diogo Ferreira, foram conduzidos a cadeia da Unidade da Defesa e Proteção do Estado, enquanto outros dois suspeitos civis, designadamente, Moisés Tavares e Horácio “Homem Rico” foram levados à cadeia central de São-Tomé.

Aplicação  da prisão preventiva surge cerca de 72 horas depois do início dos actos interrogatórios dos cinco arguidos pelo  tribunal da 1ª instância como uma medida de coação ao abrigo do artigo 171º coadjuvado com os artigos 161º e 159º do código do processo penal são-tomense.

A Polícia de Investigação Criminal de São Tomé e Príncipe que deteve os suspeitos, recuperou também 57 das 58 cápsulas de cocaína que tinham sido roubadas pelos mesmos que na altura substituíram-nas por farinha de trigo.

O assalto e o roubo de cocaína aconteceram na madrugada de segunda-feira, 26, tendo os assaltantes como alvo exclusivo o cofre onde se encontravam as 58 cápsulas de cocaínas no âmbito dos processos criminais relativos ao tráfico e consumo deste produto.

O assalto ao Supremo deu-se há pouco menos de uma semana da detenção no aeroporto internacional de São-Tomé de um cidadão da Guiné-Bissau proveniente do Brasil, e que transportava no estomago 58 cápsulas de cocaína.

Fim/RN

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Seu nome