Texto: Manuel Dênde ** Foto: Lourenço da Silva 

São Tomé (São Tomé e Príncipe), 05 Mai. 2021 (STP-Press) – O Governo de São Tomé e Príncipe acaba de introduzir na Assembleia Nacional o projecto de reajuste salarial na função pública do País, – informou o ministro do Trbalho, Adlander de Matos. 

Após a entrega do documento a Levy Nazaré, Presidente Interino da Assembleia Nacional, o governante disse que o projecto de reajuste remuneratório visa repor a justiça a nível da Administração Pública. 

Especificando, o governante disse que a ideia é reajustar, nomeadamente, o salário mínimo em duas Mil Dobras e fixar o salário do Chefe de Estado em 10 vez mais do salário mínimo, incluindo algumas regalias ao titular deste cargo de instância máxima do País. 

Matos, justificou que trata-se de uma promessa do seu partido, MLSTP, ao qual “demorou algum tempo”,mas que “é necessário agir nesta lógica face ao nível de salário bastante baixo na Administração Pública”. 

Informou que solicitou a Levy Nazaré, Presidente Interino da Assembleia Nacional, alguma celeridade na aprovação deste documento, pontuando que “assim que seja aprovado pela Assembleia Nacional e promulgado pelo Presidente da República, [Evaristo Carvalho], o Governo vai pagar com efeitos retroactivos o salário justo a que cada São-tomense, funcionário de Estado, tem o direito”. 

O governante afastou qualquer polémica a luz deste reajuste salarial, porque, segundo ainda Adlander Matos,“nós discutimos previamente esse projecto de reajuste salarial com os principais sindicatos do País”. 

No arquipélago São-tomense, o Estado surge como principal empregador na Administração Central de Estado, e há mais de uma década que os mais de 14 mil funcionários Públicos vêem reajustes salariais congelados em São Tomé e Príncipe. 

Fim/MD/LM

STP-Press

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Seu nome