Por: Ricardo Neto, jornalista da Agência de Notícias STP-Press

São-Tomé, 09 Set 2022 ( STP-Press ) –  O Sindicato de Jornalistas de São Tomé e Príncipe realizou quinta-feira um debate sobre a “ des-politização da comunicação social”, por ocasião do dia internacional de jornalistas, tendo a cerimonia de abertura sido presidida pelo Secretário de Estado para Comunicação Social Adelino Lucas ladeado pela presidente deste Sindicato Iyolanda Graça.

O debate iniciou, primeiramente, com as intervenções, dos representantes dos partidos políticos são-tomenses com representação parlamentares nomeadamente, MLSTP-PSD, representado por Nelson Mendes, e Coligação PCD-MDFM-UDD, por Martinho Tavares ADI por Hamilton Nascimento bem como a intervenção de um representante da FONG, Alexandre Cardoso.

Na sua intervenção Martinho Tavares que disse estar em representação pessoal e não da Coligação, afastou a problemática da eventual “despolitização da imprensa”, tendo para isso, admitido a hipótese dos fenómenos ligados a desgovermentalização” ou mesmo da “despartidarização” da Comunicação Social.

Já na intervenção de Nelson Mendes deixou a entender que MLSTP-PSD rejeita qualquer ideia de um cenária da despolitização da classe jornalística, tendo congratulado com existência de uma abertura total para os fazedores da imprensa nos últimos quatros anos citando como por exemplo a criação de condições materiais, documentais em termos de bases legais bem como o processo visando a melhoria salarial da classe.

Já o representante do ADI, Hamilton Nascimento criticou a forma como as autoridades têm usado os órgãos da comunicação ao serviço de uma autêntica “propaganda politica” a favor dos actuais partidos no poder tendo mesmo denunciado situação de uma autêntica campanha eleitoral face as eleições que se avizinham.

Na sua intervenção, o Secretário de Estado para Comunicação Social, Adelino Lucas, em resposta as intervenções partidárias, sublinhou as últimas conquistas para a comunicação social nos últimos quatros anos, tendo-se referido a implementação do estatuto carreira da classe, o regime privativo em termos salariais, incluindo aquisições equipamentos e materiais, meios rolantes, reabilitação das infraestruturas em todos órgãos Estatais, nomeadamente, a Radio Nacional, TVS, Agência STP-Press bem como Rádio Regional do Príncipe.

Já a Presidente do Sindicato de Jornalista, Yolanda Graça pediu mais coesão por parte dos profissionais da classe que segundo a líder sindical deve passar por trabalho com zelo, dedicação, profissionalismo, neutralidade, imparcialidade e isenção numa perspetiva de melhor servir a população e sociedade face as novas exigências e concorrência a nível da comunicação social.

Várias intervenções da plateia marcaram o debate que decorreu no centro Brasil-São Tomé e Príncipe, na capital são-tomense.

Fim/RN   

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Seu nome